03 outubro, 2007

EU ESCREVO, TU COPIAS, ELE PUBLICA (CAPÍTULO FINAL)


Fausto Wolff é tão bom no que faz que, mesmo quando se está absolutamente indignado com ele, é impossível não apreciar seu texto. Sim, leitor de raciocínio rápido, Descartes ficaria orgulhoso de você. Se falo isso é porque saiu, finalmente, a retratação pelo plágio ao meu texto, cometido por Wolff no “Caderno B” do Jornal do Brasil de domingo passado. Confiram aqui a coluna de hoje do autor.

Sobre ela, tenho pequenas observações a fazer. A primeira das quais é alertar para o tom de defesa no ataque (Gugala, estamos aí, para o que der e vier), método retórico conhecido há pelo menos dois mil anos por qualquer grego desavisado que, caminhando distraído, fosse dar na Ágora (sem trocadilho, por favor, os helenos não eram disso) e para o qual Artur Perrusi, em comentário dois posts abaixo, já me chamava a atenção. Não tenho nada contra. Mas Sócrates não ficaria satisfeito.

Segundo, achei interessantíssima esta frase, sobretudo a parte que coloco em negrito a seguir: “Desculpas especialíssimas ao Marconi Leal, na esperança de não ter piorado muito a sua obra, mas, se o fiz, foi por crer que se tratasse de uma piada de domínio público ou de autoria de outrem”. Definitivamente, não saiu de alguém que está no melhor de si ou de quem tem plena noção do seu “erro”, para usar do neovocabulário moral brasileiro. Se eu fosse outrem, ficaria com raiva.

Terceiro, e apenas em nome da Verdade, deusa expulsa do país tão-logo foi fundada a República: entre o período do plágio a Salomão Schwartzman, citado na crônica, e o feito ao meu texto, houve pelo menos mais um outro, ao qual o Milton Ribeiro já fez referência e sobre o qual li em artigo do próprio Wolff.

Por fim, digo que, de minha parte, o assunto se encerra aqui. Este episódio foi extremamente desgastante. Os lencinhos Kleenex não são tão baratos quanto pensava, muito menos as caixas de Lexotan. O que ficou disso tudo, além de uma conta de farmácia acima das possibilidades de um desempregado? Uma gigantesca decepção. Decepção com Wolff mas, principalmente, e em sentido inverso, decepção com os seres humanos.

Afinal, como disse no primeiro post da série, fazendo coro com o velho casmurro: “Espero sempre o pior dos seres humanos e raras vezes me decepciono”. Pois dessa vez me decepcionei, às avessas, com as centenas de demonstrações de carinho e amizade, vindas dos mais variados cantos do país, das distantes esquinas do mundo virtual.

Durasse a contenda mais um pouquinho e eu, que sou agnóstico e um tanto desconfiado das possibilidades de redenção de nossa espécie, acabaria decepando o próprio pinto para entrar no coro de um convento de irmãs clarissas capuchinhas. Isso não se faz. Alguém já me ouviu cantando? As irmãs não merecem.

É assim, portanto, que me despeço por hoje, desencantado com vocês, leitores solidários, carinhosos, gentis, amigos. Da próxima vez que sofrer um plágio, façam-me o favor: tratem-me com um pouco menos de atenção.
.
Abraço a todos e todas. Sobretudo a todas. E até amanhã.
.
(REITERO O PEDIDO PARA QUE OS LEITORES NÃO XINGUEM O FAUSTO NOS COMENTÁRIOS. NÃO SE TRATA AQUI DE ACHINCALHAR NINGUÉM, MAS DE VER GARANTIDOS OS MEUS DIREITOS DE AUTOR. COMO DISSE, DOU O ASSUNTO POR ENCERRADO. CASO NÃO CONSIGAM SE CONTER, USEM A ENERGIA REPRIMIDA PARA XINGAR A PRÓPRIA SOGRA. ELAS SEMPRE MERECEM. EU MESMO, DURANTE OS ÚLTIMOS DIAS, USEI DO EXPEDIENTE COM A MINHA. NA FALTA DE SOGRA, ESCULHAMBEM UM CUNHADO. POR FAVOR, PEÇO ENCARECIDAMENTE.)

44 comentários:

R.C disse...

Marconi, eu realmente espero que voce nao me inclua em falsos moralismos.

Achei o desfecho melhor do que nada, e admiro-o muito pelo pedido nessa ultima postagem. O justo deve sempre ser feito. Meu unico apelo "moral" foi o de nao categorizar a Wolff como um monstro, cagao e canalha. A- ele nao eh Diogo Mairnardi, e supostamente tem mais cacife do que ele. B- ele nao eh Renan Calheiros, e mesmo tendo plagiado o mundo todo nao prejudicou tanto quanto o mesmo. Assim que so quis colocar as coisas em um contexto menos lastimavel.

abraxao

RF

Eduardo "Bloom" Mineo disse...

Droga, Marconi, droga! Xingar é tão legal. Mas tudo bem, escrevi sobre o caso.

Abs

Tiago Pereira disse...

Enfim, o fim... Isso que chamo de novela! Relações abaladas? Silêncio de alguns intelectuais? hehe... Vai se saber... Tirar do contexto nem é tão difícil assim...

Como um simples leitor, de ambos, espero que esta parte que vos escreve não saia prejudicada. Prefiro novela com o final feliz!

abs!

Gustavo Chaves disse...

Não há como não ficar decepcionado, mas ao menos acabou a briga, soou como a morte de thais, que chato!

Franciel disse...

Marconi,
tem como você me enviar uma remessa extra de Plasil?
Só isso. Mais não digo, pois não quero brigar com alguns amigos.

rosa pena disse...

Marina W, pessoa querida me trouxe até você. Como escritora e blogueira me solidarizo com o que te aconteceu. Alguns " notáveis" também usaram textos da "obscura" Rosa Pena! A impotência de minha defesa e a certeza da impunidade deles, me deixa triste e perplexa. Um beijo..rosa

paulissima disse...

Oi, Marconi

Acompanhei a sua saga - fiquei sabendo dela por e-mail, algum de seus amigos, talvez, repassando o apelo.

Acabei de ler a retratação. Gostaria de dizer uma coisa, porém. O primeiro texto seu que recebi por e-mail, apócrifo, foi sobre a criação da Bahia.

A primeira coisa que eu fiz foi colocar lá, no Google,

"No princípio, era a Bahia"

E caí diretamente no seu site. Mandei um e-mail pra amiga que me enviou, agradecendo a suguestão de leitura, e informando o nome do autor, caso ela quisesse espalhar o texto, que fizesse com o devido crédito.

Moral da estória, para um bom jornalista, bastaria um pouco de investigação, que a internet torna ainda mais fácil, para chegar lá.

Tudo de bom!

Elisa disse...

Solidariedade total!
Custava ele dizer que havia lido e gostado?
Não entendo este tipo de coisa... Hunf!

Marcelo F. Carvalho disse...

Marconi, desculpa a demora para escrever em meu blogue sobre o caso, mas, assim como você, precisava saber o que diria o próprio Fausto.
______________________
Abraço forte!

Anita disse...

Marconi,

tive que voltar aqui. Esse Wolff é real ou uma piada? Aliás, eu deveria dizer "anedoctes", que significa, para aqueles que não sabem, isso: fatos engraçados mais ligados à realidade.

O que que é isso?

Marconi, tu foi bonzinho em dizer que o homem domina a retórica.

A.

Rodrigo Freitas disse...

Caro Marconi,
que bom que esta peleja tenha acabado e com todos, senão satisfeitos, se entendendo ao final. Inclusive, creio que você errou feio na mão no penúltimo texto da série, pois não permitir ao Fausto um erro, mesmo que grave, e compara-lo a outros. Desculpe, mas deu asco ler isso de você.
Seu trabalho é muito bom!
Abraços

Again and Again disse...

Marconi,
a mediocridade impera, está sempre envaidecida e equivocada a nos prestar favores. Não nos prive do exercício da sua inteligência porque sempre oferece oportunidades fantásticas de discernimento. Caem máscaras, seguimos maiores e melhor acompanhados, que os cães ladrem, a caravana passa...

suas amigas

Adriana/Ophélia

Milton Ribeiro disse...

Fico pensando se tu és póstero ou impóstero...

O homem sofre de Complexo de Deus, sem dúvida.

Marconi Leal disse...

Rodrigo, ao contrário do que você diz, não comparo ninguém a ninguém. Comparo situações: o que se pensava de FHC antes e depois de seu governo. Isso se aplica perfeitamente ao caso. Aliás, é justamente de reações como a sua que trato no texto: "Dizer isso do Fausto? Dá nojo! Pô, logo o Fausto! Então o cara não pode errar três vezesinhas de nada, hein, hein?"

Serbão disse...

Marconi, não vou achincalhar o sujeito. Mas acho que merece registro a truculência e arrogância dele. Arrogância em levar 3 dias pra reconhecer a mancada, e ser pouco convincente no mea-culpa. E truculência em aproveitar o espaço que tem num jornal de ainda - eu disse ainda - grande circulação para intimidar o Guga Alayon, que ousou mandar um mail com a cara e a coragem para o próprio, apontando o plágio.
As pessoas que ainda vêm aqui com pudor de criticar o Fausto, usando eufemismos e até criticando você, Marconi, por tentar defender teus direitos, não podem e não devem concordar com uma atitude dessas.
Porque aí a gente vai contra tudo o que sujeitos como o Fausto Wolff, aquele do Pasquim, lutaram no passado.

Inagaki disse...

Após ler, estupefato, a infeliz resposta de Fausto, também tratei de divulgar o caso em meu blog. Um abraço a você e outro, solidário, ao Guga.

Carlos (a.k.a. Dogmático) disse...

Ô, tem um monte de porche dando sopa ali perto do parque do Ibirapuera, não sabia de quem era e peguei um pra mim, recomendo a vocês o mesmo! Bah, essa não colou! E achei uma atitude covarde criticar pessoas num pedido de desculpas. Contive os palavrões ao referido fulano que me vieram a mente. Precisando deles é só falar!

Abraço!
Carlos

ediney disse...

viva intrigas e farpas literárias!!!!!

Gustavo disse...

Merecia um processo de qualquer forma. Muito irônico ele para quem acaba de plagiar descaradamente um texto. A desculpa do email é mentirosa e ridícula. E a tentativa de intimidação, nojenta. Evitar um processo é abrir mão dos teus direitos em respeito ao nome, à história, aos fãs dele - o que seja. Fosse um desconhecido ou, pior, um vilão tipo Mainardi, ninguém cogitaria deixar tudo por isso mesmo. Sobretudo depois de uma retratação dessas.

Hipopótamo Zeno disse...

Marconi, com as desculpas pelo atraso ficam aqui um abraço solidário e a certeza de que o James Cagney, saindo do túmulo, se vingará por nós metralhando o patife ou esfregando uma laranja na cara dele.

Abração do pessoal do Hipopótamo Zeno.

Artur disse...

Li a resposta de FW. Claro, é melhor dar um ponto final no caso. Marconi fez o que podia ser feito. Foi correto e digno. Acho até que engrandeceu com o imbróglio. Ficou, evidentemente, um gosto de fel na boca. Mas isso passa.

Agora é voltar à vida e à normalidade. E já tô com saudade das crônicas de Marconi.

Antes, tinha defendido o perdão "judeu": perdoe, mas não esqueça; agora, depois da dita retratação de FW, defendo "nem perdoe, nem esqueça". Guarde tudo como uma boa lição de moral.

Na minha opinião, a resposta de FW foi capciosa. Fez graça e foi irônico com um assunto sério. A graça e a ironia tiveram como função retórica diminuir a aparente indisposição de FW em pedir desculpas sinceras. Elas serviram também para minimizar o alcance do problema ético do plágio. Pareceu tudo muito leve e engraçado, quase uma distração.

(e Marconi que se dane com sua frescura de autoria)

FW não aproveitou o momento para engrandecer. E, para um escritor, esse era o momento. Convenhamos, era um prato cheio. Isso não aconteceu -- pena. Perder momentos é grave na vida de um literato.

A retratação deixou FW liliputiano.

Luciana disse...

Marconi

tive a grande felicidade de conhecê-lo pessoalmente - na morada de Polzonoff - e desde então devoro com afinco seu blog. Eu só poderia elogiá-lo pelos textos afiadíssimos e soberbos; senti,então, um demasiado dissabor quando meu marido, a.k.a. Dogmatico, houve por relatar o ocorrido plágio no próprio domingo. A meu -insignificante- ver, sua conduta foi admirável, pois em momento algum o vi perder a lucidez em tal famigerada questão. Fiquei atônita, sim, com comentários favoráveis ao plagiador, como se houvesse alguma justificativa sacramentada para o uso de seu texto sem menção à fonte. Como se isso fosse aceitável, e a mim sinceramente pouco importa o "status" de quem comete tal delito.

Como você já faz menção, foi uma defesa acalorada ao seu direito de autor.

Um grande abraço!

Jens disse...

Me ferrei. Acreditei no gesto de grandeza e dignidade. Bem feito pra mim. Atualmente, parece que é difícil ser homem. Os heróis que não morreram de overdose estão marchando acelerado à esclerose. Pena.

sueli halfen ( POA) disse...

Marconi...acompanho o teu blog há 1 ano + ou _...

Sou da área biomédica, nada muito específico sobre poesia e crônicas,apesar de apreciar ,pois acho vivencial ...
Nada como o TEMPO,Senhor da Razão !

Se eu fosse descrever pinturas " do tempo das cavernas " e tivesse o nome de alguém por ali,eu iria citar...se não tivesse nada...seria AUTOR DESCONHECIDO !

Esse cara nos enganou e pior...como diz uma música do Chico : - " Me Desculpa Por ME TRAIR "...
- Olha...dou desconto porque ele está doente !desconto não é Desculpa ! só 10%
Como não sou muito crente no ser humano...tô legal,não tenho ídolos,nem acredito todos os dias nem mim mesma !

quero MORRER antes de virar uma Plagiadora,prefiro pedir $ pro meu remédio na WEB !
Esmolar, é melhor do que enganar...

abraços do sul sueli halfen

Luciana G. disse...

Marconi,
A discussão sobre o plágio é mais do que oportuna. A moda de dar uma chupada (ops!) está pegando mesmo, sobretudo no mundo virtual. Conheço uma revisora de livros didáticos que se viu em situação no mínimo inusitada - pra não dizer escandalosa: descobriu que 85% dos textos de livros didáticos sobre marketing, de importante instituição de ensino, são frutos do Ctrl C. Neguinho, a despeito da alta titulação, copiava e colava um tantinho daqui, outro dali, retirando conteúdos de blogs e sites, numa colagem que, ainda por cima, resultava em pérolas de nonsense, num parágrafo um conceito, no seguinte outro diverso. O que deu isso? Enormes constrangimentos e a demissão da revisora, que se recusou a endossar o roubo...
Um abraço,
Luciana G.
Ps: pus seu blog na listinha dos blogs que eu visito.

sueli halfen ( POA) disse...

Luciana....qui lindo.....o Marconi na tua listinha !
O Marconi tb tava na listinha do Fausto...(nome não é à toa)
Espero que tu não use a listinha dos outros!
Ou pinta os cabelos de castanho claro...Saravá...meu pai!

Desculpe pessoal que se magoou ou achou preconceito e etc... mas não resisti !

Blog do Adolfo disse...

Eu li o texto e não vi indício algum de que o cara estava se desculpando.... mas a pergunta relevante é outra: o que os editores dele irão fazer? Quando eles irão se pronunciar sobre o fato? Ou será que plágio é coisa normal?

Adolfo Sachsida

andre disse...

Também escrevi sobre esse caso desastroso lá no meu blog. E faço a mesma pergunta do Adolfo: o que será que os editores dele vão dizer/fazer? Muito possivelmente nada...

Carlos Wilker disse...

As irmas clarissas capuchinhas sao um bando de filhas-da-puta.

Mani disse...

Querido Marconi, fiquei indignada com o plágio. Eu devia ter ficado surpresa, mas já vi casos semelhantes na internet, e não me surpreende. Mas depois de indignada, fiquei enojada com o fato do referido escritor autor do plágio não ter tido a vergonha tardia de reconhecer seu erro grotesco. Uma tristeza. Beijos

Jens disse...

Marconi:
Mariana, a herdeira - que não conhece os gregos - fez umas indagações interessantes, que repasso a ti: além de plagiado ainda fostes ironizado? O texto passou a ser ruim depois que o plágio foi denunciado?
Confesso que não soube responder - tudo muito sofisticado para o meu parco entendimento. Sou do tempo em que questões desta natureza eram esclarecidas sem subterfúgios. Estou fora de moda, como se vê.

Jens disse...

Ah sim:
Perdoar, ok. Esquecer, jamais!

GUGA ALAYON disse...

retratação?
acho que li outra coluna.
Esclerótica total.
Abraços aqui do Pacaembú de um arquiteto que ainda não plagia e ainda não toma remédios tão fortes.
abraços

Carlos (a.k.a. Dogmático) disse...

Hehehe, pode deixar, Jens, que pelo menos quanto a mim e creio que vários outros, minha "fogueira" vai ser nunca mais ler nada daquele fulano lá, e se nenhuma providência for tomada, não leio mais o JB, tem outros para se ler. Minha moral não permite ler algo de alguém que eu não mantenha o mínimo de respeito. Ah, por falar em plágio, por favor, avisem se alguém avistar alguma imagem minha flutuando por aí na internet hehehehe.

Gracias,
Carlos

Márcio Hachmann disse...

Quem manda saber escrever tão bem. Os incapacitados copiam e assinam embaixo mesmo.

João Bosco Filho disse...

Pior que a tal "retrataçao" do cidadao, foi o texto do seu xeleleu (isso nao é xingamento, marconi) o tal do pirata z, la no blog do lobo... aliás, com um apodo deste, sei nao...

Eduardo Stein disse...

Li o "pedido de desculpas" do Fausto Wolf. É um deboche, puro e simples de quem se acha acima do bem e do mal. Lá pelas tantas ele diz que achou que o teu texto "fosse de um anônimo ou de outrem". Eliminando a primeira hipótese, sobraria "o de outrem" que ele não se dignou a buscar a identificação. Então, dê-lhe plágio. Processa este cara. Até pra servir de exemplo.

edu disse...

Não quero fomentar a lareira, mas se precisar dar porrada, tô contigo e não abro. Chega de esses jornalistas se acharem intocáveis.

MCS disse...

Morte aos fascínoras plagiadores.

Brincadeira.

Anônimo disse...

Num post abaixo você raciocina de maneira muito lúcida - o que para um torcedor do Sport é uma façanha - quando diz que se o plagiador fosse o Diogo Mainardi ou o Reinaldo Azevedo,não faltariam bocas a gritar: "canalha!". Penso, e isso é apenas uma opinião, que era bem possível que uns 500 militantes fossem para a editora abril fazer versinhos de funk contra o plagiador. Mas não, Fausto Wolff é um dos nossos,ora! Afinal é um companheiro da esquerda.

A Verdade Marconi, é que Fausto, como todo bom esquerdista, é isso que todos viram. Um esquerdista não tem salvação. Quando não faz cocô na entrada, faz na saída. Às vezes, na entrada e na saída.

Marconi Leal disse...

Com esse ódio à esquerda e ao Spórt e esse medo de revelar o nome, você deve ser torcedor do Náutico, meu caro anônimo. Caso esteja certo, a torcida do Palmeiras manda um abraço. Caso esteja errado e você torça pelo Santa Cruz, fico calado. É política deste blog não comentar Segunda Divisão.

Flávio disse...

Marconi, de uma forma ou de outra, a verdade foi restabelecida.... coisa tb raríssima neste país. O fato de ter sido copiado mostra a excelência do seu texto... e a vitória da verdade mostra a força da blogosfera. Estão ambos de parabéns! :) Abração

Tina disse...

Oi Marconi!

Voltei (para ler o final, naturalmente) e concordo com o Jens ai acima: esquecer jamais!

Ficou menos mal assim, pelo menos.

beijos querido e bom fim de semana.

Amita disse...

Olá Marconi
Estou surpreendida com a desfaçatez e falta de princípios de certa gente. O mundo anda mesmo torto. Para quem de plágio se alimenta, não há adjectivos suficientes na nossa língua para classificar a sua mente torpe.
Lamento profundamente o que te aconteceu e quero aqui prestar a minha solidariedade.
Com todo o carinho que mereces deixo-te um grande abraço