17 setembro, 2007

CLÁSSICO ITALIANO – PRIMEIRO TEMPO


VIRGÍLIO: Bom dia, amigos, estamos falando diretamente do Circus Maximus, onde daqui a pouco ocorrerá o embate entre o time de César e o de Pompeu. Segundo nossa reportagem, a delegação de César já deixou a Gália Cisalpina, acaba de atravessar o Rubicão e vem se dirigindo a Roma. O repórter Suetônio parece que está com ele, o inquieto César. É isso, Suetônio?

SUETÔNIO: Isso mesmo, Virja, você está certo. Estamos aqui com ninguém menos que Caio Júlio. Ave, César!

CÉSAR: Ave? Calma lá, eu ainda nem sou ditador! Além do mais... Eca! Mas o que foi isso? Que nojo! Melou minha túnica toda!

SUETÔNIO: Uma ave, César. Eu avisei! Bom, talvez seja um bom augúrio. Consulte um copromante. Mas, mudando de assunto... Júlio, qual é a sua expectativa com relação ao confronto de logo mais?

CÉSAR: Olha, eu tô confiante nos rapazes. A guerra civil é uma sarcina de surpresas, mas nossa décima legião está bem armada e contamos com o apoio da torcida. Afinal, o nosso é um time popular, enquanto o adversário conta apenas com o apoio restrito da elite conservadora.

SUETÔNIO: Então você crê na vitória?

CÉSAR: Veja, nós fizemos um excelente campanha militar. Ninguém acreditou, por exemplo, quando eu disse que derrotaríamos a Gália e, no entanto, estamos na final.

SUETÔNIO: O time chega em boa forma física ou você acha que a temporada foi muito desgastante?

CÉSAR: Não, o calendário atrapalhou um pouco. Inclusive, acredito que para o próximo ano ele precisará ser mudado.

SUETÔNIO: Mais alguma palavra para nossos telespectadores?

CÉSAR: Quero dizer aos patrícios que nos assistem que, no que depender de nós, venceremos hoje e promoveremos uma anistia geral: nenhum oponente será punido com cartão amarelo ou vermelho. Enfim, se Júpiter quiser, chegaremos à primeira declinação. “Aleam jacta est.”

SUETÔNIO: Obrigado, Caio. Muito bem, Virgílio, vimos aí que Júlio está confiante e, mais importante, que como a maioria dos jogadores, a gramática não é seu forte, pois acaba de usar o acusativo no lugar do nominativo. E já que ele falou na torcida, ouça só o barulho que ela faz nas proximidades...

TORCIDA: (cantando em coro) Rá, rá, ru, ru! O Senado é nosso! Rá, rá, ru, ru! O Senado é nosso!

SUETÔNIO: Vamos tentar nos aproximar aqui de um popular. E então, meu plebeu, muito animado?

PLEBEU: É legião! E legião! É legião! Renato, eu te amo!

SUETÔNIO: Como você percebe, Virja, as pessoas mal conseguem falar de tanta emoção. Voltamos com você.

VIRGÍLIO: Obrigado, Suetônio. Bom, amigos, no que me diz respeito, gostaria de dizer que arriscar um resultado a essa altura do campeonato é como ficar entre Cila e Caríbdis. Preferiria o Inferno a estar nessa posição. Mas, vamos aos nossos comerciais e voltamos em instantes, diretamente do Senado, onde está Plutarco, com as últimas informações sobre o time de Pompeu. Até já.

(CONTINUA AMANHÃ)

6 comentários:

edu disse...

Renato, eu te aaaaaaaamo!!! U-huuuu!!! É preciso amaaaaaaAAR as pessoas como se não houvess'amaaaaaaanhããã...

Serbão disse...

Por Tutatis, Marconi!
o time de César só não conseguiu vencer um selecionado de uma pequena aldeia da Gália; mas parece que ele vai enviar uma petição ao tribunal da Fifa, porque há indícios de que esses gauleses jogam dopados, ao tomar uma poção mágica.

Márcia(clarinha) disse...

AFF César! Opsss, seria AVE César?
E a galera grita:
HáHáHúHúúú Ô César eu vô cumê seu.... bolooo!!
até amanhã,
beijos

Jens disse...

Marconi:
Diante do que li, só me ocorre fazer a recomendação que o Nélson Rodrigues fez para o Otto Lara Resende:"Seja menos brilhante. Seja medíocre. Não humilhe os mortais comuns".
Beijo. Ops, beijo não, abraço (que eu sou é macho).

Anita disse...

Aleam jacta est. Primeira declinaçãp? Que gozado!

Edward Bloom disse...

Rá, rá, ru, ru! O Senado é nosso! Rá, rá, ru, ru! O Senado é nosso!


Haha, demais cara =]