16 agosto, 2007

POLÍCIA GRAMATICAL (NUMA CONFEITARIA)

— Aha! Mãos ao alto, boca fechada! Anda, meliante!
— Ma-mas o que... que foi que eu fiz, seu guarda?
— Você foi pego em flagrante cometendo um gerundismo, seu calhorda!
— É mentira, seu guarda. Eu juro que usei o futuro do presente!
— Nada disso, eu ouvi perfeitamente quando você falou “vai estar fazendo”, seu mentiroso!
— Não!
— Sim. E ainda por cima usou a primeira pessoa do plural: “nós vai”.
— Eu não usei ninguém! Eu agi sozinho, seu guarda, eu juro!
— Passa! Já pro camburão!
— Eu sou testemunha, seu guarda. Ele falou direito...
— Você também, boneca. Há um mês nós estamos acompanhando os passos de vocês. Os dois serão acusados de associação para o crime semântico, formação de tabuísmo e tráfico de redundâncias. Podem pegar de cinco a dez anos de escola.
— Mas a gente é apenas namorados, seu guarda! Não fizemos nada!
— Namorados?
— É!
— Não, sua burra, “namorada”. “A gente é namorada”. “Gente” é substantivo feminino e concorda no singular! Passa já pro camburão!
— A gente não fez por mal, seu guarda!
— Com “u” ou com “l”?
— Com... com...
— Tudo por conta de um errinho de português, seu guarda?
— Errinho? Nós temos gravações em que vocês aparecem infringindo a norma culta em inúmeras conversas telefônicas. Ao longo de dois meses incorreram nos delitos mais diversos, entre eles queísmos, barbarismos, silepses, solecismos e uma série de infrações à regência e à conjugação. Alguns são crimes hediondos, como o uso de expressões como “eu, enquanto pessoa” e palavras como “obstaculizar”. Passa!
— Tá falando com nós?
— “Conosco”, animal! Vira a mão!
— Ai! ai! ai! Não, seu guarda, a palmatória, não!
— Isso é violência policial! Nós tem os nossos direitos!
— “Nós temos”!
— O senhor também, claro.
— Uff... Tá, tá, vocês têm direito ao uso de um intelectual e podem consultar a gramática normativa para falar com a família. Agora, venham! Chega!
— Então é isso? Voz de prisão?
— Não, voz passiva: VOCÊS ESTÃO SENDO PRESOS POR MIM! Vamos! Andando!
— Tudo bem. Mas a gente pode pelo menos levar o doce que a gente não terminou de comer?
— Pra que vocês querem levar o musse? Nada disso. Deixem aí. Pra cadeia, já. Os três!
— Os três?
— Ué, seu guarda, por que o senhor tá se algemando e entrando aqui no camburão?
— É, o que significa isso?
— Significa que eu sou uma anta: “musse” é feminino. (gritando) Motorista! Toca pra cadeia!

9 comentários:

Gustavo disse...

Outra que podia entrar pra lista de crimes hediondos era "a pessoa humana".
Tudo bem que existe muita pessoa desumana, mas pessoa inumana eu não conheci até hoje.
Apesar disso os professores, por aqui, insistem em recomendar atenção à "pessoa humana" do paciente, olhar o cliente "enquanto pessoa humana" etc...

A Gata por um Fio disse...

Qualquer elogio para o seu texto seria um pleonasmo!...
...hoje li que "alguém saiu a francesa"...como assim? tiraram uma francesa do recinto?...rss...Sabes que a Língua sempre me deixa insegura...nem sempre sei como usá-la...rss...

Claudio disse...

Você sabe que sou fã dos seus textos. mais um sensacional.

abraços

Moacy Cirne disse...

Acho que não vai sobrar ninguéns... Ops!

Anita disse...

Marconi,

um..., eu acredito que eu deva ter usado o gerúndio incorretamente várias vezes quando escrevo em português. Vivendo no exterior há tempos, sofro, e muito, do tal do "language transfer." Mas tens razão: é feio.

Agora Marconi, "a gente," como aparece na fala dos teus personagens não é substantivo feminino não. Tu sabes: "funciona" como pronome da primeira pessoa do plural. E funciona bem. Tens que aceitar. ;-)

Se o aceitássemos, o próximo "erro" gramatical listadao aí no teu texto "com nós" poderia ser aboliddo. Era só falar "com a gente". Funcionava bem. Apesar de que eu mesma prefiro o "conosco."

De qualquer forma, está uma graça o post.

Beijos

Matheus Queiroz disse...

Sensacional!!! Morte ao gerundismo!
Abraço.

Ana Maria disse...

haha, polícia gramatical? só você mesmo, marconi. bem faço eu que procuro sempre andar em boa companhia: aurélio, houaiss, bechara e celso cunha. quem tem padrinho, não morre pagão. :-)

Serbão disse...

HEHEHE- GOSTEI do link pro meu outro filhote, encaixado em "Twain", um dos meus favoritos!!!

Ane Brasil disse...

Marconi, querido
Eu, enquanto pessoa humana, estarei tendo imenso prazer estar lendo o seu blog. Com certeza, este é um esselente saite da internéti.
Sorte e saúde pra todos - menas pras pessoa que açacina a gramática.