10 julho, 2007

DECADÊNCIA



— Que cara é essa, Afrânio? Chego em casa e te encontro assim, bebendo no meio da tarde... Afrânio! Afrâ-ni-ôoo, eu tô falando contigo. O que foi que houve? Desembucha.
— “When you are old and grey and full of sleep…”
— Ih, se tu tá recitando Shakespeare, Afrânio, algum desastre aconteceu. A última vez que te vi dizendo uma fala de Hamlet foi no enterro do teu pai.
— Pra começo de conversa, o verso é de Yeats. E, em segundo lugar, nunca recitei Shakespeare em toda a minha vida, muito menos no enterro de papai.
— Ah, não, é? Você acha que eu não saquei? Ouvi perfeitamente quando você apontou pro lado onde tava o jazigo e disse: “Poor Yorick!”
— Eu apontei pro lado onde tava o jazigo e disse “por aqui”, Marilda! Tava mostrando o caminho. (suspiro prolongado) “Eu sou mais triste que um prático de farmácia…”
— Ah, não, Murilo Mendes, não! Murilo Mendes é grave. E nunca te vi bebendo no meio da tarde. Fala logo, Afrânio, qual a catástrofe que aconteceu? Alguma notícia ruim com relação à mamãe?
— Sim, ela continua respirando.
— Não brinca, Afrânio. Ela tá boa?
— Acho que não. Continua a mesma.
— Afrânio! Fala sério, Afrânio. E os meninos?
— “Sur ta vie et sur ta jeunesse...”
— Quer parar com isso? Me diz: os meninos tão bem? Aconteceu alguma desgraça com eles?
— Exceto o fato de terem herdado aquelas orelhas de abano do teu pai?
— Afrânio! Dá cá esse copo. Fala, Afrânio, por que é que tu tá assim? Que inferno!
— “Lasciate ogni speranza...”
— Chega! Ou você fala agora ou eu...
— A desgraça se abateu sobre mim, mulher.
— Que desgraça, Franinho? Te demitiram?
— Não, eles não fariam isso comigo.
— Ué, e o que te faz ter essa confiança toda?
— Talvez o fato de eu estar desempregado há seis meses, Marilda.
— Ui, desculpe, filho, esqueci. Então te assaltaram.
— Meu atual padrão de vida não permite mais esses luxos, mulher.
— É doença, Franinho?
— Preciso fazer um seguro de vida...
— Não fala assim, Franinho.
— ... e um testamento.
— Conta, diz logo tudo, fala, eu vou ser forte. Me diz o que tá acontecendo!
— Mulher, olha pra isso, mulher! Vê com teus próprios olhos!
— Afrânio! Levanta essas calças, Afrânio! Pelo amor de Deus, a empregada tá aí, vai ver!
— Olha, mulher, olha!
— Afrâ... Pentelhos... saco... pinto... marca de nascença... fimose... Não, não tô notando nada de diferente, Afrânio.
— É o fim, mulher. Não há mais saída. Olha direito.
— Nada, Afrânio. Não tô vendo nada.
— É a decadência total, é a decrepitude completa!
— Que foi, Afrânio, o que foi?

— Mulher, nasceu um pentelho branco!

16 comentários:

Tiago Pereira disse...

Muito bom!! Enfim o retorno de suas crônicas!!Parabéns, como sempre!!

Jens disse...

Ué, existe pentelho de outra cor? Não me lembro.

Yvonne disse...

Marconi, pentelho branco é flórida, rsrsrs. Beijocas

Franciel disse...

Subscrevo a indagação de Jens.

Mani disse...

Isso sim é uma catástrofe, com um sabor literário delicioso...

edu disse...

Maior charme!! Adoro... :-P Mas ainda me falta ver os ruivos!

Vais disse...

Salve Marconi,
fiquei na dúvida se era pra rir ou chorar, bem estou rindo...
A parte maior do meu universo é feminino, será que tem alguma mulher que fica assim super arrasada por causa do pentelho branco, as malucas devem falar assim: ó que doido, um branco, e mete as fuças...
gargalhadas
Abraço

Serbão disse...

Marconi, quando isto aconteceu comigo, declamei Augusto dos Anjos, com as calças na mão:
"Vês? ninguém assistiu ao enterro da tua última quimera..."

em seguida tomei um viagra.

Sandra disse...

hahahahahahahahahahahahahahahaha

Carvalho! É o fim!!!!

Flávio disse...

É: se o primeiro cabelo branco já incomoda... esse é o verdadeiro pentelho! ;)

srta. bia disse...

rs... adorei os comentários.
mas estou aqui imaginando a cara da empregada quando afrânio pedir a ela que também veja o pentelho branco, depois os filhos, os vizinhos...

Cabamacho disse...

Confesso que Dona Muléfême descobriu o primeiro pentelho branco durante um festivo bola-gato. Alvissarou-se "Olha! Um pentelho branco!". Ao que. educada e exemplarmente, respondi: "Mulher, olha o desmazelo! Nada de falar de boca cheia."

Allan Robert P. J. disse...

Rapaz, levei um susto danado. Fui conferir: Tudo preto. Ufa!
:)

adelaide amorim disse...

É grave, Marconi. E não tem volta. Mas quem sabe uma boa tintura? ;)
Beijo pra você.

Tina disse...

Oi Marconi!

Triste constatação! E se servir de consolo, anota aí: daqui prá frente só piora...rs

beijos querido,

Saramar disse...

rsssssssssssssssssssss
tadinho do Franinho.
Sugiro uma pinça daquelas de sobrancelha. O que acha?

beijos