21 fevereiro, 2007

TERAPIA DE CASAL


TERAPEUTA: E então, o que os traz aqui?
CÉLIA REGINA: O Aurélio, doutora.
TERAPEUTA: Aurélio? Mas eu pensei que o senhor se chamasse Euclides.
EUCLIDES: E me chamo, doutora. Aurélio, no caso, é o dicionário.
TERAPEUTA: Quê?
CÉLIA REGINA: É o seguinte, doutora, o Euclides, ele fala “nincho de mercado”.
EUCLIDES: Veja a senhora, doutora: dez anos de casado e só porque eu deixei escapar, uma vez na vida, “nincho de mercado”, a casa caiu.
CÉLIA REGINA: “Nincho de mercado”, doutora! “Nincho de mercado” é o fim da picada. Ele diz isso sempre, sempre!
EUCLIDES: Tá, tudo bem. Admitamos que eu tenha dito, uma vez ou outra. Em compensação, você vive falando “sombrancelha” e eu nunca reclamei.
CÉLIA REGINA: Ha! Quem é que fala “sombrancelha” aqui?
EUCLIDES: Você. “Sombrancelha” e “iorgute”. Por que é que você acha que lá em casa agora tem caixas e caixas de iogurte, que eu compro toda semana? É só pra não ouvir você me pedir pra trazer “iorgute” quando eu vou no supermercado.
CÉLIA REGINA: Ah, então é isso, senhor “um plus a mais”?
EUCLIDES: Como é que é?
CÉLIA REGINA: Não se faça de desentendido, Euclides. Ainda ontem você tava falando com o Rogério pelo telefone que “a empresa tal tem um plus a mais e por isso encontrou um novo nincho de mercado”. Urgh, chega a me dar uma coisa! Fico com os pêlos todos arrepiados só de lembrar, doutora!
EUCLIDES: Até os da “sombrancelha”?
CÉLIA REGINA: Olha a ironia, Euclides. Fique sabendo que essa coisa de “sombrancelha” é uma questão de costume, tá? Lá na minha terra todo mundo fala assim.
EUCLIDES: Deve ser porque vocês tomam muito “iorgute”.
CÉLIA REGINA: Não, não. Lá eles, se tomam ior... io... gurte, fazem que nem você: “gospem” fora.
EUCLIDES: Eu imagino que agora você está querendo insinuar que eu falo “guspir”, em vez de “cuspir”?
CÉLIA REGINA: Juro sobre o Houaiss que ele fala, doutora.
EUCLIDES: Essa é boa! Uma pessoa que diz “poblema”, reclamando do meu vocabulário!
CÉLIA REGINA: Nunca disse “poblema” na minha vida. E o seu vocabulário, Euclides, é de “mindingo”
EUCLIDES: Meu São Caldas Aulete! É “mendigo”, “inguinorante”!
CÉLIA REGINA: É “ignorante”, “instrupício”!
TERAPEUTA: Calma, calma, gente. Vocês precisam se acalmar.
CÉLIA REGINA: Desculpe, doutora...
EUCLIDES: É, doutora...
TERAPEUTA: Parem um pouco e meditem. Casamento é compreensão.
CÉLIA REGINA: Quer dizer...
EUCLIDES: Uhm...
TERAPEUTA: Será que vale a pena discutir por conta de algo tão pequeno?
CÉLIA REGINA: Bom...
EUCLIDES: Ahn...
TERAPEUTA: Vejam bem, será que coisas assim são o que verdadeiramente importa, a nível de casamento?
CÉLIA REGINA e EUCLIDES: “A NÍVEL DE”, DOUTORA?!!
CÉLIA REGINA: Vamos embora, Cli!
EUCLIDES: Agora mesmo, Celinha! Dá a mão.

Nenhum comentário: